segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Annabelle 2: A Criação do Mal

NOTAS DA SESSÃO:

- O grande diferencial de toda essa franquia Invocação do Mal é a qualidade da produção. Filmes de terror geralmente são produções de baixo orçamento, pouco sofisticadas, então é surpreendente ver algo do gênero com uma boa direção de arte, fotografia, som, figurino, movimentos de câmera interessantes.

- É um toque legal de direção a maneira como descobrimos que a Janice é deficiente, na saída do ônibus.

- A casa dos Mullins é uma locação bem interessante. A cadeira na escada pra deficientes, o elevador pra comida, a maquete da casa... Há vários elementos que tornam o lugar divertido e potencialmente assustador.

- Ainda assim a franquia continua assombrada por clichês: a vitrola sinistra que toca uma música supostamente alegre, portas que abrem e fecham sozinhas, o quarto proibido que ninguém deve entrar, etc.

- Forçada a cena em que a Janice entra no quarto da Bee pela primeira vez, acha a chave na maquete, e abre o armário onde está a Annabelle. Como ela adivinhou que a chave abriria aquela porta? Ela não sente medo? Nenhuma criança age assim.

- Outro problema é a falta de uma identidade clara pro "monstro" do filme. Não sabemos se é a boneca, ou se a boneca não é nenhum perigo e sim aquele demônio preto, ou se é o espírito da Bee, ou se é a mãe da Bee mascarada. Ora os monstros são visíveis pra todos, ora só algumas pessoas os veem / escutam, como se fosse uma alucinação. Diversos conceitos de coisas assustadoras surgem ao longo da história. Isso impede o filme de ter um vilão icônico como um Freddy Krueger, por exemplo.

- O comportamento artificial dos personagens torna a história toda irreal: as pessoas estão sempre entrando em lugares escuros sem motivo nenhum sabendo que há algo de maligno ali. Até parece que a Janice ficaria no quarto da Bee depois de ver o espírito da menina, os bonecos se mexendo sozinhos no teatrinho... Depois que ela já passou por isso tudo, o filme tenta criar um grande momento de terror na escada, na sequência da cadeira, mas tantas coisas aterrorizantes já aconteceram antes (que não assustaram a menina) que não faz sentido ela entrar em pânico só agora. Várias das crianças já viram fantasmas, mas todo mundo continua na casa fingindo que não há nada de estranho acontecendo, só pro filme poder seguir em frente pra próxima cena de medo. A cena em que a garotinha fica atirando a bolinha no corredor escuro e "pescando" a bolinha de volta é o exemplo mais óbvio da falta de sentido do comportamento dos personagens. É tudo tão artificial que tira todo o medo. Em vez de pessoas normais fazendo coisas plausíveis, ficamos apenas vendo o roteirista por trás das cenas, imaginando situações assustadoras aleatórias.

- Devem ter umas 10 pessoas na casa, mas sempre parece que os personagens estão sozinhos num lugar isolado, escuro, servindo de iscas fáceis pros espíritos. O ambiente do orfanato se torna falso.

- SPOILER: Ideia ruim a Janice ser possuída e virar vilã. Ela era a personagem mais forte do filme, daqui pra frente a história fica sem protagonista.

- Mal explicado por que os Mullins deixaram a boneca na casa esse tempo todo, em vez de destruí-la ou levá-la pra um lugar distante.

- Toda a sequência de ação final (quando todos tentam fugir da casa) é ridícula. Uma ideia burra após a outra. Sempre que conveniente um personagem entra sozinho num lugar escuro e fica preso junto com um monstro (a freira que fica presa com o espantalho, a garotinha quando fica presa no elevador, etc).

- Nada de surpreendente na conexão final com o primeiro Annabelle, o filme apenas segue a fórmula do gênero e faz algo que a plateia já viu diversas vezes.

------------------

CONCLUSÃO: Bem realizado num nível técnico, mas prejudicado pela Mentalidade Clichê dos autores e pela falta de realismo no comportamento dos personagens.

Annabelle: Creation / EUA / 2017 / David F. Sandberg

FILMES PARECIDOS: Quando as Luzes se Apagam (2016) / Invocação do Mal 2 (2016) / Annabelle (2014)

NOTA: 5.0

sábado, 19 de agosto de 2017

Corpo Elétrico

NOTAS DA SESSÃO:

- Todo o começo é tedioso e já estabelece o tom Naturalista extremo do filme: a conversa casual na cama após o sexo, as cenas de rotina no trabalho, o funcionário imigrante negro aprendendo a mexer nas máquinas da confecção, etc.

- Como sempre nesse tipo de filme, o filme tenta compensar a ausência de história e de drama mostrando algum ator bonito pelado e enfiando algumas cenas chocantes de sexo no meio pra plateia não levantar e ir embora.

- Não há história... O propósito é apenas aquilo que falei na postagem Filmes Bem vs. Mal Intencionados - conscientizar a plateia a respeito de alguma questão social, alguma sub-cultura específica. Nesse caso, os gays de classe média baixa que vivem em São Paulo. Como o filme tem essa "função social", é como se magicamente o cineasta não precisasse ter talento, se importar pelo espectador, mostrar coisas interessantes, etc.

- É tudo uma grande desculpa pro cineasta expor sua ideologia política - o filme retrata gays, drag queens, maconha, negros, imigrantes, sexo livre, vitimiza o empregado, vilaniza os patrões - e não de maneira artística, com isso tudo bem costurado em uma história, é tudo apenas jogado pra plateia em cenas aleatórias, registros do dia a dia. Teria sido mais honesto o diretor escrever "Fora Temer" na tela e deixar a plateia ir logo pra casa.

- Tudo soa amador, não-artístico, improvisado. Não há sensibilidade na direção, não há personagens bem desenvolvidos, performances convincentes, não há nenhuma análise psicológica ou cultural interessante. É um retrato cru da realidade - qualquer pessoa com um celular e um grupo de amigos seria capaz de fazer algo no mesmo nível artístico - sem planejamento, talento ou experiência com cinema. É o equivalente a tirar uma foto de um mendigo na rua sem nenhuma técnica especial, e dizer que sua obra faz um "estudo" importante da sociedade.

- As poucas cenas em que o filme foge do puro realismo cotidiano e tenta fazer algo mais dramático - quando surge um conflito mais intenso entre os personagens, por exemplo, são as cenas mais artificiais, onde os atores parecem mal ensaiados e o amadorismo da produção fica mais evidente.

- Algo que quase nunca falta nesses filmes nacionais de esquerda é um personagem atraente que faz sexo com pessoas bem menos atraentes que ele, sem muita explicação ou motivação - o que sugere um desejo dos autores por um tipo mais pessoal de "redistribuição de riqueza", além do puramente econômico.

- "Corpo Elétrico" dá a ideia de que o filme vai ser sobre um personagem bem mais radical e intenso do que esse. O Elias faz sexo algumas vezes no filme, mas está longe de ser um ninfomaníaco, alguém fora do padrão, que faz coisas chocantes. É um garoto totalmente normal nesse contexto, bem menos "elétrico" até do que alguns dos seus amigos.

- Ridícula a cena em que a patroa diz "Eu vou pra Londres, querido, não vou acampar!". É um comportamento artificial só pros patrões parecerem repugnantes.

- Pra que insistir em uma tensão homoerótica entre o Elias e o imigrante africano, sendo que depois isso será esquecido pelo filme?

- Quando Elias entra em crise e vai parar bêbado na casa do ex-namorado, podemos ver o quão superficial é o filme em termos de estudo de personagens. Não temos a menor ideia de onde veio esse colapso emocional. Não sabemos nada sobre o mundo interno de Elias. Mostrar o ator pelado não é o mesmo que revelar algo sobre sua essência. Ele é apenas um membro de seu grupo. O que importa pro filme é o coletivo, mostrar os hábitos dessa "tribo" em particular, como um documentário da National Geographic.

- A sequência final na casa de praia é outro tédio. Parece um vídeo caseiro gravado em uma viagem de Réveillon. Mas não em uma viagem com amigos interessantes, dizendo coisas inteligentes. E sim registros de conversas banais, dessas que ouvimos todos os dias em botecos, etc.

- A imagem final é o velho clichê de acabar o filme de maneira "chocante", no meio de uma cena onde nada está acontecendo (apenas mais uma afirmação sutil pró-empregado, anti-patrão), sem nenhum senso de conclusão, só pra mostrar como o cineasta despreza o conceito de narrativa e não se importa pela plateia.

------------------

CONCLUSÃO: A miséria artística básica do atual cinema brasileiro.

Corpo Elétrico / Brasil / 2017 / Marcelo Caetano

FILMES PARECIDOS: Mãe Só Há Uma (2016) / Que Horas Ela Volta? (2015) / Boi Neon (2015) / Sangue Azul (2014) / Praia do Futuro (2014)

NOTA: 1.5

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Grave

NOTAS DA SESSÃO:

- Por que diabos o título Raw virou "Grave" no Brasil?

- O começo com o acidente de carro é intrigante. Não entendemos nada mas pelo menos é algo que puxa a gente pra dentro da história.

- A direção tem muita personalidade; é eficaz e não tem medo de fugir do convencional, provocar o espectador, etc.

- O ambiente da universidade é tão odioso que ficamos com raiva da protagonista por ela não se revoltar, não tomar uma atitude... Às vezes ela até se diverte com o comportamento abusivo dos alunos mais velhos (ri quando dão um banho de sangue nela no trote, etc). É muito passiva, sem personalidade.

- Chocantes as cenas com animais na faculdade de veterinária (eles enfiando o tubo na garganta da égua, etc).

- Os valores da menina são meio suspeitos: ela fica perturbada por ser forçada a comer carne, como se isso fosse o pior abuso do mundo, mas destruírem o quarto dela tudo bem, humilharem ela em público tudo bem.

- Aflitivas as feridas que começam a surgir no corpo dela, ela se coçando, arrancando a pele das bolhas, etc. Mas qual a crítica que esse filme está fazendo? Que carne faz mal pro ser humano? Ou que não devemos ser vegetarianos, se não um dia podemos radicalizar pro outro lado? Até agora ele não está dizendo nada de útil. Apenas tocando em temas controversos de forma vaga, pra posar de intelectual, sem ter nada de fato a dizer.

- Nojento ela puxando cabelo da garganta, os efeitos sonoros pra tornar a cena ainda mais horrível. Ou a cena da menina enfiando o braço no ânus da vaca, ou depois eles cortando os cachorros mortos. A diretora parece achar uma virtude perturbar a plateia (algo que falei recentemente na postagem Filmes Bem vs. Mal Intencionados). E nem sempre é um tipo de choque brincalhão, exagerado, feito pra divertir como num filme de terror ou numa comédia - muitas vezes são imagens cruas, mostradas de maneira fria, casual, pra incomodar a plateia, "esfregar realidade" na cara do espectador, etc.

- SPOILER: O filme é basicamente uma série de imagens grotescas: o cachorro lambendo a vagina da menina, depois um close na virilha sendo depilada, depois o dedo da irmã sendo decepado e a protagonista comendo, etc, etc. É uma tolice toda essa "crítica" ao ato de comer carne, parece que a cineasta tem 15 anos de idade - está ansiosa pra discutir temas adultos, parecer sofisticada, mas sem saber como.

- SPOILER: Mal explicada a história dos acidentes de carro na estrada. Quer dizer que a irmã faz isso direto pra poder comer as vítimas? E a tática sempre funciona? Ninguém descobre? Meio forçado.

- Apesar da atitude tola, pelo menos não dá pra dizer que o filme é chato. Tem sempre algo de surpreendente e original acontecendo, há alguns toques de humor, o ritmo é muito bom, a história prende a atenção desde a primeira imagem (o pilar da Diversão certamente é respeitado).

- Mais pro meio começa toda essa obsessão da protagonista por sexo... Já não sabemos mais se o filme quer dizer algo sobre o ato de comer carne, sobre sexo, se sexo também é errado por ser "carnal". É só pra deixar a discussão ainda mais ambígua (crítico adora essas coisas vagas que podem ser interpretadas de qualquer forma). Pelo menos há certa consistência nas coisas que o filme mostra - sangue, animais, sexo, dor física, tudo acaba estando ligado ao tema da carne.

- Um dos problemas é que toda a situação é muito irreal e desconectada de ideias. O espectador não tira nada de útil da história. Não há nenhuma observação psicológica interessante, o filme não diz nada sobre o comportamento humano, sobre a relação entre irmãs, etc. É apenas uma situação fantasiosa criada pra chocar o público e talvez fazer refletir sobre o vegetarianismo.

- A cena da mesa com o pai é um final impactante, embora continue meio vago o propósito do filme.

------------------

CONCLUSÃO: A cineasta é habilidosa, sabe criar um show, há bastante "shock value", mas a discussão é meio boba - o filme está mais preocupado em chocar do que em ser claro sobre o que está falando.

Raw / França, Bélgica, Itália / 2016 / Julia Ducournau

FILMES PARECIDOS: Corra! (2017) / Boa Noite, Mamãe (2014) / Anticristo (2009)

NOTA: 6.5

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Filmes Bem vs. Mal Intencionados

Não sei vocês, mas geralmente eu consigo prever se irei gostar ou não de um filme logo nos primeiros minutos de projeção, ou até mesmo antes, através da sinopse, do cartaz do filme, do trailer, ou talvez por saber quem é o diretor. Claro que o filme pode nos surpreender no meio do caminho, positivamente ou negativamente, e o que conta no fim das contas são as qualidades que o filme de fato apresenta. Ainda assim, existe alguma coisa que nós podemos "captar" antes mesmo de embarcarmos na história, e que interfere bastante na nossa atitude em relação ao filme: se iremos assistí-lo de boa vontade, com uma atitude cética, ou de má vontade.

O que nós captamos nesse primeiro momento é a intenção geral do filme (ou pra ser mais preciso, a intenção geral do autor do filme). A intenção dele é a de te divertir? Te ensinar algo? Conseguir seu dinheiro? Te perturbar?

Independentemente do tema e do gênero do filme, um artista pode abordar sua obra com diversas atitudes. Não é porque uma história é trágica que a intenção do artista é necessariamente negativa, e não é porque o filme é uma comédia que a intenção do artista é necessariamente positiva. Tudo depende da maneira como a história é apresentada. No cinema, geralmente é o diretor quem irá definir isso: um mesmo roteiro filmado por 2 diretores diferentes no fim das contas irá carregar a intenção de cada diretor, e não necessariamente a do roteiro.

*****

A melhor intenção que um artista pode ter na minha opinião é a de entreter / dar prazer / valor / felicidade / criar uma experiência positiva para o espectador - ao mesmo tempo em que ele realiza seu potencial como artista e demonstra suas virtudes através da obra.

Isso estabelece uma relação de mútuo benefício entre artista e espectador, pois implica que o artista não realizou o trabalho por um senso de dever, apenas para agradar a plateia, pelo dinheiro, ou por qualquer tipo de consideração inautêntica - e sim como uma expressão de seu valor pessoal, de suas ideias, motivado pelo seu próprio prazer e felicidade. E a plateia, por outro lado, não precisa se sacrificar pelo bem do autor, passando horas de tédio numa poltrona em respeito à cultura. Ela vai ver o filme pelo seu próprio prazer, por um interesse pessoal na experiência - e ao mesmo tempo, seu prazer é reforçado pela constatação de que o artista também está lucrando emocionalmente com aquilo. As boas experiências artísticas são como uma boa relação sexual - cada um dos lados é motivado pelo próprio prazer, mas a noção de que o seu prazer estimula o prazer do outro é essencial.

E mesmo que a plateia não saiba se o autor está ou não lucrando com a experiência (ela não tem como ter certeza disso), é importante pra ela observar suas virtudes na obra. É importante pro espectador ter a noção de que a pessoa que está lhe proporcionando aquela experiência positiva (o autor) é uma pessoa admirável, com habilidades e dons dignos de admiração. Isso tornará a experiência mais satisfatória pra ela, assim como saber que a pessoa com quem você vai pra cama é alguém especial, admirável, e não um robô, um charlatão ou alguém sem qualquer virtude.

Você pode estar pensando: como então uma criança pode gostar de um filme, sendo que ela nem sabe que existe um autor por trás da obra? É necessário considerar a existência do autor pra ter prazer com um filme? A resposta é: nem sempre. Quando somos crianças ou menos informados, nós ainda não temos a noção de quem é o verdadeiro responsável pela experiência que estamos tendo. A única coisa que nos importa é a história e os personagens em nossa frente. Ainda assim, quando realmente gostamos de um filme, a emoção de admiração sempre está presente de alguma forma... Mas nesse caso, não será direcionada ao autor (que nem sabemos que existe), mas provavelmente a um ator ou personagem: seja ele o Poderoso Chefão, o Jackie Chan, o Pernalonga ou a Xuxa. Tente pensar numa experiência cinematográfica prazerosa, mas sem nenhum tipo de sentimento de admiração envolvido pelos responsáveis pela experiência... Nem pelo autor, nem pelo personagem, nem pelo ator. É algo difícil de conceber, e uma experiência assim nunca será tão satisfatória quanto aquelas que unem o sentimento de prazer com o de admiração. A diferença é: quando ainda não somos maduros o bastante, essa admiração será projetada em coisas mais concretas e imediatas (como o ator ou o personagem) e quando somos mais maduros, passaremos a entender que existe uma figura acima disso tudo, responsável pela obra como um todo, e que nos melhores casos representará um tipo ainda mais elevado de virtude (o que não invalida a admiração pelo personagem, etc).

Abaixo irei relacionar algumas das intenções mais comuns dos filmes, separando as intenções positivas das negativas. 

*****

Como disse, a intenção mais nobre no fundo é apenas essa:

- Entreter, dar prazer, valor, felicidade, criar uma experiência enriquecedora e excitante para o espectador, surpreender, emocionar, mostrar beleza, virtude, inteligência, inocência, celebrar os aspectos mais interessantes e atraentes da vida e do ser humano, acabar com o tédio e a monotonia, estimular sentimentos e pensamentos inspiradores no espectador - AO MESMO TEMPO em que o artista realiza seus desejos e demonstra suas virtudes: expressa suas ideias, realiza sua visão, demonstra domínio técnico, inteligência, conhecimento, sensibilidade, integridade, profundidade - qualidades que realmente o tornam um indivíduo digno de admiração.

Uma variação importante desse mesmo item, e que ainda é uma intenção nobre, é quando o artista mostra situações indesejáveis, personagens decadentes, mas não pra celebrá-los, e sim com a intenção de criticar, condenar ou ridicularizar aquilo - mostrar pro espectador como as coisas NÃO deveriam ser, o que ele NÃO deveria ser na vida (em contraste com o ideal) - às vezes como um alerta para o espectador, às vezes com intenções humorísticas. Ainda assim, deve haver um senso de que o filme está querendo provocar algo de positivo no espectador (em vez de apenas perturbá-lo), passar informações que trarão valor pra sua vida, e fazendo isso através de uma narrativa prazerosa, onde o autor ainda tenha a oportunidade de demonstrar suas virtudes, etc.

São 2 aspectos do mesmo item, mas uma distinção relevante a ser feita. Agora vou relacionar as intenções ruins que costumo mais ver por aí (ou no mínimo as intenções insuficientes, incompletas, caso apareçam desconectadas das intenções acima):

- Apenas entreter o público (geralmente pra fazer dinheiro nas bilheterias), seguindo fórmulas e tendências de outros filmes de sucesso (sem que isso seja uma expressão autêntica do autor), apelando pra técnicas superficiais e se aproveitando da ingenuidade do espectador (seria o equivalente a um sexo prazeroso com um robô ou um interesseiro).

- Apenas exibir as supostas virtudes do autor - virtudes que não implicam diretamente no prazer do espectador. O espectador tem que sacrificar seu prazer em respeito ao autor, ver algo chato que não lhe interessa apenas em nome da cultura (esse seria o parceiro sexual preocupado apenas com o próprio prazer, mas que não se importa por quem você é, se a pessoa está entediada, em agonia, etc).

- Educar, informar ou conscientizar o espectador a respeito de alguma coisa prática, eventos históricos, alguma questão social ou política (ou doutrinar o espectador com a ideologia do autor, etc).

- Expressar os sentimentos pessimistas do autor; tentar convencer o espectador de que o mundo é impróprio pra felicidade humana, que o ser humano é incapaz, corrupto, que o mal vence no fim, que a vida não vale a pena (geralmente uma tentativa de justificar as falhas e frustrações do autor).

- Incomodar, perturbar, deprimir ou entediar o espectador, forçá-lo a encarar o lado negativo da existência (pra provar a "coragem" e "maturidade" do autor por lidar bravamente com tais temas) - isso é uma variação comum do segundo item; uma suposta "virtude" que o autor deseja exibir às custas do bem estar do espectador.

- Confundir, usar técnicas desonestas, subjetivismo, pra dar a impressão pro espectador que o autor tem virtudes que ele não tem de fato.

- Promover "inclusão social"; amenizar a baixa autoestima do espectador com senso de inferioridade, expondo as falhas por trás dos heróis, de figuras importantes, diminuindo a estatura dos "fortes", mostrando coisas tão deprimentes que por contraste o espectador acabe pensando "até que eu não estou tão mal assim!" - ou então celebrando e glamourizando coisas que não têm virtude alguma (ou que são até más). A ideia é dizer que o ideal não é tão ideal, que virtude é um conceito ultrapassado, que ninguém é melhor ou pior, etc.

- Subverter o conceito de arte. Mostrar que o autor não se importa pelo prazer da plateia, não tem interesse em demonstrar virtudes reais, não pretende "jogar o jogo" dos artistas convencionais. Faz algo "anti-arte" para contestar a norma, provar que habilidade, beleza, inteligência, prazer nada têm a ver com arte, que todas as formas de manifestação pessoal têm a mesma relevância (mais uma vez, uma provável tentativa de camuflar e racionalizar as falhas e limitações do autor).

- Atacar o "bom", o virtuoso, aquilo que provoca ressentimento no autor, ou exaltar e celebrar aquilo que é medíocre. Distorcer a realidade pra criar uma narrativa onde o bom fique parecendo mau, ou o mau fique parecendo bom (outra vez, pra camuflar e racionalizar as falhas e limitações do autor).

*****

Há um certo padrão aqui. Uma coisa que sempre acreditei é que todo artista que realiza uma obra e a expõe para o público está, admitindo ele ou não, querendo expressar seu próprio valor, e ao mesmo tempo querendo a aprovação do espectador, agradar algum público. Os artistas honestos são os que não têm problemas com esse fato, aceitam a realidade como ela é, aceitam que virtudes são virtudes, que fraquezas são fraquezas, lidam bem com suas limitações, respeitam as necessidades do espectador, e a partir disso fazem o melhor pra demonstrarem o que eles têm de fato de valor, corrigem ou minimizam o que têm de ruim, e não agem com o propósito de enganar o público, fingindo que suas falhas e limitações são na verdade grandes virtudes. Os artistas mal intencionados são em geral desonestos, e estão através de suas obras tentando criar uma realidade alternativa onde seus defeitos se tornem irrelevantes ou se pareçam com qualidades aos olhos do público. Eles não estão agindo de fato pra demonstrar suas habilidades e criar algo de valor pro espectador, estão apenas criando um escudo pra se protegerem da realidade.

Podemos discutir horas a respeito do que é ou não é virtude, sobre o que dá ou não dá prazer. Uns podem se impressionar mais com habilidades físicas, outros com habilidades intelectuais, uns podem preferir paz e diversão, outros podem preferir drama e desafio, e por aí vai. A intenção desse post não é a de definir o que é ou não virtude ou prazer, apenas a de apontar a superioridade de abordar a arte com honestidade e uma atitude de ganha-ganha, querendo provocar prazer e admiração, em comparação com as outras atitudes que listei.

Uma última observação importante: não basta um filme ser bem intencionado pra ele ser bom, é claro. O artista pode querer proporcionar prazer pro espectador e demonstrar seus talentos honestamente, mas simplesmente não ter habilidade o bastante, ou cometer erros no caminho. Mas um grande filme sempre será resultado de uma boa intenção bem realizada. E no extremo negativo, um filme com uma atitude totalmente maligna, mesmo que seja muito bem feito não poderá proporcionar uma boa experiência artística. Pelo contrário: quanto mais bem feito (mais impactante, persuasivo, eficaz, comunicativo, ambicioso, etc) pior será a experiência para o espectador, pois toda essa habilidade estará sendo usada contra o seu bem estar. 

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Malasartes e o Duelo com a Morte

NOTAS DA SESSÃO:

- São sempre um pouco frustrantes esses filmes brasileiros que tentam imitar superproduções hollywoodianas. Sempre deixam a desejar em termos técnicos: os efeitos especiais nunca são tão bons quanto os americanos, as locações nunca são tão espetaculares, a direção de arte nunca é tão rica, etc. Ainda assim é uma tentativa nobre de se fazer cinema de entretenimento no Brasil (que não sejam comédias trash da Globo, etc). Pros padrões nacionais o filme se destaca.

- O elenco é ótimo. Jesuíta Barbosa está excelente, Ísis Valverde e Milhem Cortaz funcionam muito bem. Não sou muito fã do Malasartes por ser um personagem caricato, difícil de se identificar, e também pela atitude cínica do filme de celebrar a malandragem brasileira, achar divertido o personagem trapacear, enganar a namorada, etc. Mas a performance de Jesuíta consegue tornar o personagem razoavelmente gostável.

- A história é bem contada, embora o determinismo estrague um pouco do envolvimento ao longo do filme: Malasartes e todos os personagens são apenas marionetes do destino - estão sendo controlados por deuses numa outra dimensão, dependendo de milagres, coincidências, e não das próprias escolhas e ações.

- O lado fantasia do filme é um pouco arbitrário e desconectado da realidade... Toda essa ideia das velas amarradas em fios que sobem e descem e ajudam no transporte das pessoas, a ideia de amarrar as 2 velas e isso provocar alteração nas personalidades dos humanos, etc. É o tipo de "excesso de fantasia" que costuma me incomodar por não dizer nada a respeito de valores humanos, questões que vivemos no dia a dia, etc. É apenas um joguinho de ideias. E além disso as regras são mal estabelecidas... Não sabemos o que pode ou não pode acontecer no mundo de lá... A Morte pode matar algum personagem, mas depois a Vera Holtz pode ir lá e trazer a pessoa de volta sem muita explicação... Tudo pode acontecer, então ficamos apenas assistindo o destino dos personagens serem decididos por forças do além.

- Embora não dê pra torcer muito pelo romance (Malasartes não parece de fato apaixonado pela garota e nunca será um bom marido) no final o filme fica mais envolvente, pois queremos saber se ele e Áurea ficarão juntos (e vivos), como será resolvido o conflito com o irmão, como enganarão a Morte depois que os poderes acabarem, etc.

- SPOILER: Como as regras tinham sido mal estabelecidas, acaba não sendo tão satisfatória a maneira como Malasartes derrota a Morte. Como tudo pode acontecer, não chega a ser uma grande surpresa o que ele faz com as velas.

- SPOILER: No fim Malasartes se redime um pouco ao assumir a relação com a Áurea - e como ele consegue mudar o próprio destino, a ideia de determinismo que o filme estava transmitindo fica mais leve. Ainda assim, não dá pra dizer que é um filme com valores muito positivos. A mensagem aqui é a de que a vida é uma grande fuga da morte, e que pra termos sucesso temos que ser malandros.

------------------

CONCLUSÃO: Honesto, bem realizado, mas ainda não é o filme que achou a linguagem do "blockbuster nacional".

Malasartes e o Duelo com a Morte / Brasil / 2017 / Paulo Morelli

FILMES PARECIDOS: O Homem do Futuro (2011) / Romance (2008) / O Auto da Compadecida (2000)

NOTA: 6.0

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

O Estranho que Nós Amamos

NOTAS DA SESSÃO:

- Visualmente o filme é lindo (fotografia, locações, figurinos, etc). Parece uma pintura de época. A luz natural lembra a estética de Barry Lyndon.

- O elenco é muito bom (apesar do roteiro não ter grandes momentos para os atores). Kirsten Dunst continua acertando desde que assumiu essa identidade mais madura como atriz.

- Boa a maneira como o filme vai revelando as mudanças de comportamento nas mulheres com a chegada do Colin Farrell: o banho que a Nicole Kidman dá nele na cama, a Kirsten Dunst passando a usar roupas mais atraentes, etc. É tudo mostrado através de ações.

- Apesar de ser um filme de emoções contidas e não muita coisa acontecer no começo (falta um pouco de intensidade), é uma história interessante, que envolve a plateia por falar de vaidade, comportamento humano, coisas com que todos podem se relacionar. Emocionalmente é um dos filmes mais honestos da Sofia Coppola - que raramente sai da pose de "cineasta cult" pra se comunicar de maneira mais direta com a plateia.

- Há certo suspense pois não sabemos direito o que pode acontecer. Colin Farrell parece interessado na Kirsten Dunst, mas a Elle Fanning é mais atraente e está mais determinada a conquistá-lo, e ao mesmo tempo a dureza artificial da Nicole Kidman dá a impressão de que a qualquer momento algo pode acontecer entre os dois.

- Gosto do humor sutil por trás da história (a maneira como o filme expõe o comportamento ridículo das mulheres). É quase como uma versão séria do Castelo Anthrax de Monty Python em Busca do Cálice Sagrado.

- Seria mais interessante se a situação fosse mais contrastada. Se o Colin Farrell fosse um cara totalmente decente, e as mulheres fossem se mostrando extremamente desequilibradas (uma coisa meio Louca Obsessão). Mas no fim elas não têm atitudes tão insanas... Parecem mulheres normais... E ele por outro lado é manipulador, fica seduzindo todas, etc. Então não fica muito clara a mensagem da história, que crítica ele está fazendo a que, o que a situação simboliza, etc.

- SPOILER: Chocante o acidente na escada e as consequências pro Colin Farrell. Finalmente algo mais dramático acontece no filme. Mas depois disso a situação começa a ficar um pouco falsa. As mulheres não brigam entre si como deveriam. O Colin Farrell começa a ficar com um comportamento descontrolado que não combina com o personagem de antes. E não temos a impressão que a Nicole Kidman amputaria a perna dele por vingança, então a revolta dele parece forçada, uma reação sem fundamento.

- SPOILER: Algumas cenas mais pro final parecem falsas, como a que a menina vai até o portão amarrar o pano azul e o Colin Farrell consegue correr atrás dela de muleta, etc. Ou ele fazer sexo com a Kirsten Dunst num momento onde não há o menor clima pra isso.

- SPOILER: Divertida a ideia de matá-lo com os cogumelos (o filme começa com cogumelos, então terminar com cogumelos dá um senso de ordem interessante pra narrativa). Mas ainda acho que foi um pouco mal construída essa transformação dos personagens. Eles não pareciam tão desequilibrados a ponto de levarem a situação a esse extremo (especialmente a Nicole Kidman).

------------------

CONCLUSÃO: Alguns problemas no desenvolvimento dos personagens, mas em geral um drama interessante, com bons atores e bonito esteticamente.

The Beguiled / EUA / 2017 / Sofia Coppola

FILMES PARECIDOS: Dúvida (2008) / Desejo e Reparação (2007)

NOTA: 7.0

domingo, 13 de agosto de 2017

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

Me lembrou o que falei de Percy Jackson e o Mar de Monstros pois o filme também parece uma longa exposição de ideias fracas. Sem dúvida muita imaginação foi gasta na concepção do universo desse filme (as criaturas, tecnologias, figurinos, naves, armas, planetas, etc) mas por alguém sem tanto talento e que não tinha nenhum tipo de filtro criativo: qualquer ideia estava valendo, desde que não tivesse nenhuma relação com a nossa realidade e com a ciência. Daí em vez de uma fantasia com conceitos inovadores, inteligentes, designs atraentes (como uma arma que é um sabre de luz, ou um alien que tem ácido como sangue, ou uma floresta que se torna fluorescente à noite) você tem um filme cheio de ideias tolas e confusas, designs feios, como uma água viva gigante que quando enfiada na cabeça te permite ter visões paranormais... ou uma caixa que você coloca o braço e aparentemente seu braço vai parar numa outra dimensão, porém o resto do corpo não, ou talvez sim... ou um porquinho que engole uma pérola e defeca centenas em seguida... É como se o autor pensasse: "Star Wars é tão legal, tem um universo tão bem elaborado, tantas criaturas diferentes - e é por isso que o filme é bom; portanto se eu conseguir inventar um número equivalente de coisas malucas pra compor o universo de Valerian, ele será tão bom quanto Star Wars" (ignorando as técnicas milenares de narrativa respeitadas por George Lucas, que no fim é o que faz o filme funcionar).

Mais uma vez, a história aqui é a principal falha do filme. Personagens mal desenvolvidos, sem química, sem motivações pessoais ("filme de serviço") apenas cumprindo seus deveres numa missão chata que só depois de 2 horas vamos entender do que se trata. E pra piorar, no fim o filme vem com o clichê da mensagem ecológica, "salvem os índios", dizendo que a natureza está em perigo, que o homem civilizado é mau e ganancioso e destruirá as culturas mais fracas em nome do progresso, da economia (mas no fundo ele é apenas sádico), que devemos ter "mais amor", etc.

Mas não é só a história que é ruim. A execução também não é das melhores. Desde o tom errado, o humor fraco, até o mau gosto na direção de arte, as cenas de ação, o casting infeliz, a trilha sonora genérica, os diálogos, o título do filme - o que só aumenta a minha impressão de que europeu não serve pra fazer esse tipo de entretenimento (além de dirigido por Luc Besson, o filme foi baseado numa série de quadrinhos francesa).

-----------------

Valerian and the City of a Thousand Planets / França / 2017 / Luc Besson

FILMES PARECIDOS: Guardiões da Galáxia Vol. 2 (2017) / O Destino de Júpiter (2015) / Percy Jackson e o Mar de Monstros (2013) / Ender's Game: O Jogo do Exterminador (2013) / O Quinto Elemento (1997)


Adicionar legenda
NOTA: 3.0

sábado, 5 de agosto de 2017

O Filme da Minha Vida

Novo filme dirigido por Selton Mello, baseado num livro do autor chileno Antonio Skármeta (o mesmo de O Carteiro e o Poeta) sobre a vida de um garoto numa cidade do interior (nos anos 60?!), que sente falta de seu pai francês (que abandonou a família sem muita explicação) e vive uma série de situações típicas da juventude em sua cidade natal (a primeira vez num bordel, a primeira namorada, etc).

Assistir ao filme é mais ou menos como a experiência tediosa de ficar ao lado de um estranho enquanto ele te mostra álbuns de família, narra histórias de sua juventude num tom envaidecido, na expectativa de que você ache a vida dele tão fascinante quanto ele mesmo acha. Apesar da bela fotografia de Walter Carvalho, da direção de arte caprichada, das referências a clássicos do cinema (que dão a impressão de que o filme pretendia se distanciar da estética padrão do cinema nacional em direção a algo mais hollywoodiano) o filme no fim das contas é nacional até a raiz, pois em sua essência não ousa abandonar as premissas básicas do Naturalismo.

Não é nem uma boa história que se sustente sozinha (o protagonista é genérico demais, sem características interessantes, sem grandes objetivos, conflitos, o texto é raso), e a execução do filme também não é das mais bem sucedidas. Apesar do visual bonito, os diálogos muitas vezes soam forçados, os alívios cômicos não funcionam, o estilo da direção muitas vezes atropela o conteúdo só pra deixar o filme com um tom mais "cool", etc.

---------------

O Filme da Minha Vida / Brasil / 2017 / Selton Mello

FILMES PARECIDOS: O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias (2006) / Cinema, Aspirinas e Urubus (2005)

NOTA: 4.0

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Planeta dos Macacos: A Guerra

NOTAS DA SESSÃO:

- Assim como na parte 2, os efeitos especiais estão entre os melhores já vistos no cinema. Visualmente o filme todo é muito bem cuidado - as locações, a direção de arte, a fotografia, etc. A trilha sonora também é ótima - tem temas musicais identificáveis, bem desenvolvidos, etc.

- Continuo não achando o Caesar um protagonista muito gostável, porém aqui ele parece mais "do bem", menos ambíguo moralmente do que nos outros filmes. Ele quer paz com os humanos, só quer ser deixado livre na floresta, e são os humanos (em particular o Woody Harrelson) que forçam ele a entrar em guerra. O filme parece mais sobre uma vingança pessoal, e não um conflito político do tipo "nós vs. eles". Além disso, vemos um lado mais sensível de Caesar nesse filme (por ele perder alguns membros da família) que ajuda a criar mais empatia pelo personagem.

- É ótima a presença da garotinha loira entre os macacos, reforçando a ideia de que eles não são "racistas". Há uns momentos bonitos entre ela e os macacos que dão um clima mais benevolente pra essa história, que parece menos focada em ódio e conflito que os outros filmes.

- Não dá pra entender direito por que o Woody Harrelson não mata o Caesar quando ele é capturado (sendo que antes ele tinha se deslocado até o acampamento dos macacos apenas pra matar o Caesar). Tinha que ter uma motivação melhor pra ele correr o risco de mantê-lo vivo.

- Engraçada a crítica que o filme faz ao Trump, ao muro, ao medo de estrangeiros, ao patriotismo distorcido da extrema direita, etc (se não foi intencional, é uma coincidência bem curiosa). Embora não fique claro pra que o Woody Harrelson precisa construir esse muro (o muro do Trump também não faz muito sentido, mas não é por isso que o roteirista precisa deixar a história mal explicada).

- Há uma conversa interessantíssima entre o Caesar e o Woody Harrelson mais pro final. Em vez de um vilão caricato, com motivações totalmente insanas, o filme consegue mostrar de maneira bem convincente os 2 lados do conflito. Os macacos estão simplesmente lutando em auto-defesa... Mas os humanos também têm uma motivação válida pra atacar os macacos, pois eles têm um vírus que pode (ou não) acabar com toda a raça humana. E esse é o "x" da questão. Se fosse certeza que a medicina não poderia resolver o problema do vírus, daí o Woody Harrelson teria toda a razão em querer exterminar os macacos. Ele deixaria de ser um vilão na história, e os 2 lados seriam moralmente equivalentes. Como essa questão do vírus não é muito bem esclarecida, a gente dá um crédito pros macacos e continua achando que o Woody Harrelson é o vilão (até por seu comportamento detestável). Mas já não é um conflito tão simples de bem vs. mal.

- Legal que a garotinha loira leva água e comida pro Caesar quando ele está preso. Ela não é um elemento irrelevante pra trama. Isso mostra uma preocupação do roteiro em integrar bem os elementos da história, não ter peças sobressalentes, etc.

- SPOILER: A fuga dos macacos não é das mais memoráveis ou inteligentes. O fato de já ter um túnel cavado embaixo da prisão torna tudo muito fácil (ou tanques com líquidos inflamáveis estrategicamente posicionados, etc). Além disso, é meio forçado o guarda entrar sozinho dentro da "jaula"... Óbvio que os macacos iriam atacá-lo e pegar as chaves. Onde estão os outros guardas?

- Outro detalhe que torna o Caesar mais gostável nesse filme é no final, quando ele admite que é como o Koba - que é motivado por ódio, vingança (e não se orgulha disso). Nos outros filmes eu não gostava muito dele justamente por esse motivo. Parecia extremamente rancoroso o tempo todo. Aqui, como ele admite que isso é um defeito, ele acaba parecendo mais decente.

- SPOILER: Meio perturbadora a morte do Woody Harrelson. Não só pelo suicídio, mas também porque fica a ideia de que ele estava certo o tempo todo. Que o vírus dos macacos de fato é uma ameaça à raça humana e eles precisam ser exterminados.

- SPOILER: O final não é dos mais satisfatórios. Primeiro tem aquela avalanche que é um "deus ex machina" um pouco preguiçoso. Depois tem a maneira improvável de como o Caesar morre. Ele foi ferido pela flecha há horas... Depois disso ainda sobreviveu a explosões, avalanches, caminhou durante dias... Por que ele vai morrer só depois de um tempão quando estão todos a salvo? É só pra dar aquela ideia do mártir que se sacrificou em nome do bem comum e precisa morrer no fim. Sem falar que o conflito entre humanos vs. macacos fica meio "no ar", sem conclusão.

------------------

CONCLUSÃO: Nada de muito memorável ou inspirado, mas é um filme feito com muito mais habilidade, capricho e respeito pela plateia do que a maioria dos blockbusters hoje em dia.

War for the Planet of the Apes / EUA, Canadá, Nova Zelândia / 2017 / Matt Reeves

FILMES PARECIDOS: Star Trek: Sem Fronteiras (2016) / Planeta dos Macacos: O Confronto (2014) / Guerra Mundial Z (2013) / Oblivion (2013)

NOTA: 7.3

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Dunkirk

NOTAS DA SESSÃO:

- Produção excelente. A imersão audio-visual que o filme proporciona é incrível. Parece que estamos num simulador da Disney (especialmente em IMAX).

- A trilha sonora é uma das piores que já ouvi. Em vez de uma composição musical com melodia, estrutura, diversos climas que acompanham a narrativa e se integram à imagem, temos apenas um zumbido constante dando um clima de gravidade, e eventualmente barulhos pulsantes irritantes que soam como um alarme pra deixar a plateia tensa.

- A ideia do filme se passar em 3 tempos (1 semana, 1 dia, 1 hora) é um mecanismo tolo. Não cria nenhum tipo de ordem na cabeça do espectador, não acrescenta nada à história, não vemos nenhuma conexão especial entre as 3 histórias. É apenas um daqueles truques de Nolan pra narrativa parecer mais elaborada do que é (o "sonho dentro do sonho", etc).

- Um pouco mal explicada a ideia do Mark Rylance partir de barco sozinho pra Dunkirk, arriscar a vida de seus filhos junto. Falta uma motivação melhor, uma explicação mais convincente.

- O filme não tem nenhum desenvolvimento de personagem, não tem protagonista, não estabelece a motivação de ninguém, não cria empatia por ninguém. Fica apenas mostrando homens em situações de perigo, esperando o resgate sem ter muito o que fazer, intercalando eventuais ataques aéreos com outras situações menores de tensão do tipo: soldado quase é esmagado, soldado quase morre afogado, soldado quase é baleado, soldado quase pega fogo, soldado quase explode, etc. Literalmente não há nenhuma história ou conteúdo no filme. É apenas um simulador de parque de diversões como disse acima, pra gente sentir como é estar no meio da guerra...

- O garoto tropeça dentro do barco e fica cego? É um incidente totalmente desnecessário pra história. E de repente ele começa a falar em tom poético, como se tivesse vivendo um drama grandioso, sendo que ele só teve um acidente idiota! O cineasta busca qualquer oportunidade pra mostrar tragédia, personagens "contemplativos" diante da morte, glamourizando o sofrimento humano (não em contraste com valores positivos na história, mas como um fim em si mesmo). Há uma série de acidentes banais (portas que emperram, trens de pouso que enguiçam, etc) só pra mostrar atores com expressões de desespero. (Minha postagem Emoções Irracionais resume bem o filme.)

- Não temos a menor noção de onde estão os inimigos, de quanto tempo falta pra eles chegarem, em quantos eles estão, por onde chegarão, etc... Imagina assistir Titanic sem ter uma ideia de quanto tempo demora pro navio afundar, quanto tempo falta pro resgate chegar, o quão letal é a temperatura da água, etc.

- Todo esse "respeito" que Nolan tenta demonstrar pelo cinema, pela tradição, no fim parece uma grande farsa. Ele grava o filme em 70mm, se apresenta como um defensor da verdadeira experiência cinematográfica, se coloca contra Netflix, ver filme em telas pequenas, etc, mas ao mesmo tempo ele joga no lixo aquilo que é o principal de tudo: a arte de contar histórias. Ele só quer que as pessoas vejam o filme dele em IMAX porque ele sabe que ele não tem nada a oferecer além de imagens e sons impactantes. Se você vê um filme do Kubrick em casa numa VHS velha, ainda é um ótimo filme. O que sobraria de Dunkirk? As pessoas acham que Nolan é o diretor que trouxe de volta a inteligência pros blockbusters, que ele representa uma união entre o cinema comercial e o cinema de arte, entre "corpo e mente", mas no fundo ele é apenas "corpo". Apenas experiência sensorial, sem conteúdo. Não é muito diferente de um Transformers, uma experiência audio-visual desmiolada - a diferença é que Transformers não finge ser algo mais sofisticado do que é.

- Toda essa sub-trama dos soldados escondidos no casco do barco é muito mal desenvolvida: os inimigos praticando tiro ao alvo justo onde eles estão, a ideia deles esperarem a maré subir pra poderem fugir, depois tentando tampar os buracos de bala com as mão pra água não entrar - é tudo muito forçado e mal conduzido. O diretor inventou que não pode mostrar nenhum inimigo no filme, mas isso acaba tornando cenas como essa confusas e irreais.

- SPOILER: Quando chegam os barcos no fim pra resgatar os soldados, eles surgem como um milagre. Não é um "pay-off" pra algo que já estava sendo desenvolvido na trama, é apenas uma solução mágica que cai no colo deles. Não é um resultado satisfatório pra decisões tomadas pelos protagonistas ao longo do filme. E esses barquinhos vão conseguir resgatar 400.000 homens?!

- Mal dirigida a sequência do avião sem combustível no fim que consegue abater o outro avião. E por que todo mundo começa a aplaudir, a musica fica épica? O filme quer dar a sensação de que esse foi o "ataque final", o mais perigoso do filme, e que agora todos estão a salvo e o filme pode acabar. Mas na realidade foi apenas mais 1 ataque como dezenas de outros que ocorreram. Não há nenhuma dinâmica, nenhuma construção ao longo do filme... Ele começa mostrando soldados sendo atacados, e 1 hora e meia depois ainda está mostrando soldados sendo atacados nas mesmas condições. Não houve uma "vitória" especial agora, um senso real de desfecho.

- Péssima toda essa música triunfante no fim, o discurso emotivo, tentando criar uma emoção artificial no espectador, sendo que o filme não se importou em fazer a gente se envolver com ninguém desde o início.

------------------

CONCLUSÃO: O nada mais grandioso do ano.

Dunkirk / Reino Unido, Países Baixos, França, EUA / 2017 / Christopher Nolan

FILMES PARECIDOS: O Regresso (2015) / Interestelar (2014) / Gravidade (2013) / A Árvore da Vida (2011)

NOTA: 3.5