quarta-feira, 21 de outubro de 2015

A Colina Escarlate

ANOTAÇÕES:

- O filme sofre daquele problema da "fantasia dentro da fantasia". A época, a cenografia, a luz, a performance dos atores - tudo já é tão distante da nossa realidade que, ao aparecerem os fantasmas, não há nenhuma surpresa, pois não se cria um contraste interessante com o real.

- O visual é incrível (fotografia + direção de arte).

- Ter um fantasma aparecendo às claras pra protagonista logo na primeira cena estraga parte da curiosidade da história. Ela já viveu um momento praticamente insuperável de terror - não dá pra esperar algo de muito mais intenso daqui pra frente.

- Além do visual exuberante, há certa inteligência nos diálogos que destaca o filme de outros mais medíocres do gênero. Mia Wasikowska está apropriada nesse papel.

- Interessante a cena da dança segurando a vela. Mas é um pouco confusa a trama e relação entre os personagens. Não dá pra saber direito quem está apaixonado por quem, quem está com ciúmes de quem... Não ficamos sabendo qual o segredo que o pai da Edith descobre a respeito do Thomas Sharpe, nem por que ele não fala nada pra filha... Assistimos tudo com pouco envolvimento, como se tivéssemos pego a história da metade.

- SPOILER: Por que essa cena das formigas devorando a borboleta? E a violência grotesca no assassinato do pai? (Culto à Dor).

- A mansão é incrível como cenografia. Mas é uma ambiente desagradável, decadente. É um pouco forçado esse buraco no telhado - quem com um mínimo de bom senso moraria num lugar assim? E por que caem folhas pelo buraco se não há árvores perto da casa? O filme parece estar mais interessado no estilo visual do que em criar um ambiente convincente.

- Toda a parte do terror, dos fantasmas, parece secundária e não funciona muito bem (quem entrar no cinema buscando um filme de gênero irá se frustrar).

- SPOILER: Thomas e a irmã queriam matar o próprio cachorro? O filme fez a gente simpatizar por Thomas no começo, e agora começa a mostrá-lo como um monstro interesseiro - a gente fica meio perdido. O romance e as relações são confusas, mal estabelecidas.

- É meio estranho caracterizar a mansão como se fosse um lugar mal-assombrado, um "personagem" assustador do filme, sendo que os fantasmas já apareciam pra protagonista mesmo em casas normais. E Edith não parece muito assustada com os fantasmas, então todo o suspense criado em torno deles não tem muita força. Não faz sentido a cena que ela se apavora com uma das fantasmas e começa a chorar, diz que quer ir embora da casa - ela já não tinha visto vários fantasmas antes?

- SPOILER: Trama forçada. Por que haveriam aquelas gravações guardadas de todas as ex-mulheres de Thomas? Será mesmo que ele teria conseguido conquistar tantas mulheres ricas, se aproveitado delas, tê-las matado pelo dinheiro e ainda saído impune? Será que um inventor tão brilhante e dedicado (algo que exige inúmeras virtudes) seria uma pessoa tão desonesta e destrutiva?

- SPOILER: Por que Thomas decide ajudar a esposa no fim? É pra gente achar ele mais gostável por isso e ficar contra a irmã apenas? Mas o que ele fez antes já é tão imperdoável! E a Edith ainda mostra certa consideração por ele?!

- SPOILER: Ridículo o médico ensinar onde o Thomas deve esfaqueá-lo na barriga. Desculpa ruim pra mostrar violência (a Jessica Chastain não é uma ameaça tão grande assim pro Thomas, a ponto dele se sentir forçado a esfaquear um inocente). O final todo é insatisfatório.

CONCLUSÃO: O visual impressiona mas o filme não tem força como suspense/terror e as relações não são bem escritas o bastante pro filme funcionar como drama apenas.

(Crimson Peak / EUA / 2015 / Guillermo del Toro)

FILMES PARECIDOS: Invocação do Mal / Mama / O Orfanato / O Labirinto do Fauno / Virgínia

NOTA: 5.0

Nenhum comentário: