quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Vai que Cola - O Filme

ANOTAÇÕES:

- O filme começa mal (sequência do sonho) e não introduz os personagens pra quem não conhece a série, então algumas das piadas parecem soltas e sem graça.

- Paulo Gustavo é ótimo na "arte do insulto" e os comentários mal humorados dele são os momentos mais engraçados do filme (embora ele não esteja tão interessante de homem quanto estava de mulher em Minha Mãe É uma Peça).

- Não vejo graça nesse tipo de clichê: os pobres maloqueiros bagunçando o ambiente refinado (até porque o filme retrata isso de maneira positiva, pro espectador achar divertido e se identificar).

- O humor e a linguagem do filme são um pouco "Zorra Total" demais pra mim.

- Paródia da Luisa Marilac - acho perigoso fazer piada com algo tão específico assim que apenas uma pequena parte da plateia entenderá e a o resto achará bizarro.

- A Samantha Schmutz tem uns momentos ótimos como humorista (o término com o namorado na praia, e depois dando em cima do ator). O personagem do Fernando Caruso já não funciona muito bem quando é o foco principal da cena.

- A história do filme é um desastre; não dá pra entender nada. Quando o filme está na parte "traminha" (como admite o Paulo Gustavo) ele perde todo o ritmo.

- O Paulo Gustavo é ótimo quando se faz de elitista e mal humorado, mas quando ele vai pra um humor "Didi Mocó" já não convence tanto (o final com os monges, por exemplo).

CONCLUSÃO: Não tão ruim quanto a maioria das comédias nacionais, mas não tão boa quanto Minha Mãe É uma Peça. Os atores principais têm bons momentos.

(Vai que Cola - O Filme / Brasil / 2015 / César Rodrigues)

FILMES PARECIDOS: Minha Mãe É uma Peça / De Pernas pro Ar

NOTA: 5.5

Nenhum comentário: