sexta-feira, 30 de junho de 2017

Okja

NOTAS DA SESSÃO:

- Alerta Vermelho: o discurso inicial da Tilda Swinton passa a ideia de que a indústria e empresários em geral são maus.

- Fofa a Okja, bonitos os efeitos especiais e as locações no começo do filme.

- Mas péssima a tentativa de tornar a criatura simpática dando um close em seu ânus e mostrando fezes saindo por todos os lados (a ideia do filme de "humanizar" um personagem).

- Auto-sacrifício: o filme acha positivo o fato da Okja se jogar do penhasco pra salvar a Mija, como se isso a tornasse um ser melhor (fezes, auto-sacrifício - observem as estratégias que o filme está usando pra tornar Okja uma criatura gostável).

- Performance mais ridícula da carreira de Jake Gyllenhaal. Só o fato do filme escalar um ator tão charmoso quanto ele pra agir de forma constrangedora em frente às câmeras já diz algo a respeito da atitude da produção.

- Por mais triste que seja separar a garotinha de Okja, não dá pra torcer pra que ela invada a empresa, resgate o animal, pois ela estaria cometendo um crime. Okja não é dela, apesar do apego emocional. Se ela tivesse propondo uma negociação amigável, tudo bem, mas ela já chega estilhaçando o vidro da empresa, fazendo vandalismo, etc.

- Todo o conflito é forçado, feito pra gerar confusão, só pra tentar provar a mensagem mal intencionada do filme. Se Okja estava sendo criada pra ser um animal especial, que iria participar de concursos de beleza, etc, ela teria sido criada de fato no meio do mato, sem cuidados especiais? Num lugar que seus "donos" criariam apego por ela ao longo dos anos? E Okja viraria comida assim como os outros super-porcos comuns? O simples fato de Okja ser uma "celebridade" já não impediria a empresa de abatê-la?

- Esses ativistas da Liberação dos Animais são criminosos e o filme os retrata de maneira positiva, como se eles fossem os mocinhos. Eles batem no caminhão da Mirando, causam acidentes, apontam armas contra pessoas inocentes, roubam a propriedade da empresa - mas tudo é válido pois é por uma "boa causa". A narrativa não funciona pois não dá pra torcer nem por eles, nem pela garotinha (a mensagem social do filme está acima da experiência artística, o que é um defeito segundo meus critérios).

- A empresa coloca Okja pra cruzar com outro super-porco, e a cena é mostrada como se Okja estivesse literalmente sendo estuprada!!! Uma prova de que a empresa abusa dos animais (e uma crítica ao machismo talvez??)! Ridículo.

- Paul Dano (o ativista) se mostra uma "ótima" pessoa quando espanca violentamente o amigo por ter traduzido errado o que a garotinha falou. E por que o Paul Dano dá todo esse poder pra Mija de decidir qual o destino de Okja? Se o animal não é da empresa (segundo ele), então teoricamente Okja deveria ser do pai da Mija, e não da Mija que é uma criança - e o pai autorizou que Okja fosse devolvida pra empresa.

- A empresa corta pedacinhos de Okja pra eles provarem sua carne? Antes do concurso de beleza? E as cicatrizes? Obviamente isso não aconteceria (existem milhares de outros super-porcos, e a carne já está sendo produzida em grande escala) - mas claro, o filme precisa provar seu argumento de que os empresários e cientistas são malignos e gostam de torturar criaturas fofas! Como se o fato da humanidade comer carne fosse culpa da indústria, do "consumismo", e não algo que sempre ocorreu em todas as culturas por toda a história.

- Os ativistas são tão "benevolentes" que quando eles invadem a propriedade da empresa e estrangulam os guardas, um deles diz pro guarda: "Eu sinto muito por isso, esse não é um estrangulamento letal"!!!! (Não, isso não é uma piada.)

- SPOILER: No fim Mija consegue comprar de volta a Okja oferecendo ouro pra Tilda Swinton? Por que venderam pra ela agora e não pro pai no começo do filme, que tentou a mesma coisa? E isso é um final "feliz"? Ou o "mal" (a empresa) venceu? Okja voltou pra casa, mas os ativistas não conseguiram parar o consumo de super-porcos. Os outros todos serão mortos. Se o filme fosse apenas sobre a amizade entre Mija e Okja, bastaria as duas ficarem juntas no fim pra haver um final feliz. Mas claramente o filme queria passar uma mensagem maior, pró-vegetarianismo, direitos dos animais, etc. Então esse "final feliz" onde Okja é salva porém milhares de outros super-porcos são mortos acaba tendo um tom inapropriado e inconclusivo.

------------------

CONCLUSÃO: Uma história tola pra te dizer que, se você come carne, você é imoral e inferior aos realizadores do filme (apenas carne vermelha - peixe aparentemente está liberado pois a protagonista pesca no começo do filme e não é retratada negativamente por isso).

Okja / Coréia do Sul, EUA / 2017 / Bong Joon-ho

FILMES PARECIDOS: Zootopia (2016) / Expresso do Amanhã (2013) / Como Treinar o Seu Dragão (2010)

NOTA: 2.5

6 comentários:

Marcus Aurelius disse...

https://www.youtube.com/watch?v=do_tgPwE8e8

https://www.youtube.com/watch?v=8IhudcdwDYg

Caio Amaral disse...

#somostodospedófilos

rssss.

Anônimo disse...

Percebi todos essas analises feitas pelo blog. Busquei saber se mais pessoas assistiram esse filme e perceberam esse imposição forçada do filme em fazer você criar uma intimidade com o animal( que foi bem fraco).

O filme cria exatamente em aprovador e transformar em bonzinhos os que estão fazendo ações fora da lei e da segurança publica. Os ativistas são tratados como heróis, amorosos, de grande compaixão e amor.

A sua analise traz bem essa imagem. Porém faltou uma analise sobre o momento de ações dos policiais. O filme além de criticar os empresários, carnívoros, denigrem a imagem dos policiais, que em uma cena de amor entre o beijo de uma ativista em seu companheiro.. a policia chega de maneira mais violenta possível.

O que você acha da má imagem que o filme traz também aos policiais?

Caio Amaral disse...

Não me marcou particularmente essa cena do policial, a ponto de eu postar uma nota a respeito.. mas é praticamente um clichê em filmes assim a polícia ser mostrada como violenta.. assim como qualquer figura de autoridade, que simbolize poder: um chefe, alguém muito rico, etc. Então não me surpreende, isso está bem de acordo com o resto do discurso do filme. Abs!

Unknown disse...

Achei o filme muito bom. Eu consegui me apegar bastante ao personagem. Afinal, o filme não prometeu um final feliz.
Acho muito bom o seu trabalho; suas críticas estão certas, mas é muito drama. Se eu lesse sua crítica antes de ter assistido, provavelmente acharia que o filme não vale apena. Mas eu gostei do filme e acho que as pessoas deveriam assistir.


Caio Amaral disse...

Você simpatiza pela ideologia do filme? Auto-sacrifício, anti-capitalismo, etc? Não consigo imaginar alguém gostar do filme pela história em si, independentemente da agenda política... a não ser que não tenha entendido nada... abs.